logo

Monthly Archives: January 2012

31 Jan 2012

I was told that my first attempts on reading have been when I was about two years old. And that I was tremendously annoyed when someone turned the book, to put right. I wanted to read the book upside down and starting backwards. I think I was already trying to see books out of convention and to used them differently from the usual.

And it is also from that same time that they tell me that – now I’ll quote them all – “I am desperately looking for the story of the books in the history of life”. I do not know very well what that means, much less when they talk about despair. But I know that I approached a little bit to that feeling when I read The Shadow of The Wind.

The book was on a to-read list, after many recommendations, and one day someone lend it to me. I am very careful about books, especially when there are not mine: I read it very gently, as I never read any other. I won him a lot of respect, because it is never easy to write a book about books. Yes, that is what it is about. A book about books that somehow mixes the stories of books with the stories of life. Or the other way around. I don’t know, even today I can not distinguish them.

I don’t like love stories. Not those in which we read the beginning and we can guess the finish. But when the story is about the love for books, then they have me tied up to the last letter. And that’s what happened with The Shadow of The Wind. The love story of the book goes hand in hand with a dark story of terror. Tell me if there is something else that looks more like life. I think not.

Dizem-me que as minhas primeiras tentativas de leitura foram por volta dos dois anos. E que ficava tremendamente irritada quando me viravam o livro, para o porem direito. Eu queria ler o livro ao contrário e começando de trás para a frente. Acho que já aí procurava ver os livros fora da convenção e do uso que lhes tinham estabelecido à partida.

E é também desde essa altura que me dizem que – agora vou citá-los a todos–«procuro desesperadamente a história dos livros na história da vida». Não sei muito bem o que querem dizer com isso, muito menos quando falam em desespero. Mas sei que me aproximei um bocadinho dessa sensação quando li «A Sombra do Vento».

Constava da lista dos que deviam ser lidos, depois de muitas recomendações e um dia veio parar-me às mãos, emprestado. Tenho muito cuidado com os livros, ainda para mais quando não são meus: li-o de uma forma extremamente delicada, como nunca li mais nenhum outro. Ganhei-lhe um respeito enorme, porque nunca é fácil escrever um livro sobre livros. Sim, é disso que se trata. De um livro sobre livros que, de algum modo, mistura «a história dos livros com a história da vida». Ou ao contrário. Não sei, ainda hoje não as consigo distinguir.

Não gosto de histórias de amor. Não daquelas em que lemos o início e adivinhamos prontamente o fim. Mas quando a história é sobre o amor aos livros, então têm-me presa até à última letra. E foi assim, efectivamente, com «A Sombra do Vento». A história de amor do livro anda de mãos dadas com uma história sombria, de terror.

Digam-me se há alguma coisa mais parecida com a vida. Eu acho que não.

Rita da Nova – January 15, 2012
31 Jan 2012

Carlos Ruiz Zafón

Carlos Ruiz Zafón

31 Jan 2012

Rita da Nova – A Sombra do Vento (The Shadow of the Wind) / Carlos Ruiz Zafón

15 Jan 2012

Ever since I was a child I like reading, something that was passed to me by my parents. 

I read everything that I could get my hands at in my home, but there were some books that were kept away from me and those of course were the ones that I most wanted to read. My mother has always been an avid reader and there were always many books in the house.

I started by reading books for children but as soon as I could I jumped to novels and poetry. Saramago was still not very popular then and I remember that before Memorial do Convento (or Baltasar and Blimunda, in the english edition)  I had read Levantado do Chão in the year in which it was published. It is also a book that I like very much.

Memorial do Convento, which I read at the age of 11 years old, was a milestone for me.

I discovered that books could report great historical epics mixed with dense characters full of magic. It was great to read and Imagine the construction of the Mafra National Palace. Since I read this book, whenever I visit it, I try to imagine all the story and characters so well described by Saramago in that space that looks so austere and lifeless today. 

The intrigues of the court and the clergy, the harshness of the life and work of common people, the love story of Blimunda and Baltazar Sete-Sóis, the descriptions of landscape and architecture… I liked it all.

This book also brought me to the study of History, which I used to think was a boring discipline in school, and after that I became one of best students in class. Memorial do Convento grew in me the curiosity about ancient stories, and about the whys and the hows of sites or monuments.

Saramago became a very popular author with all merit. Because of Memorial do Convento I read most of his later books. I like some of them, of others I like less, but his genius and the power of his writing are undeniable.

I think that many writers and readers of historical fiction should read this book, to assess better what they read or write.

Desde pequena que o hábito da leitura me foi passado pelos meus pais. Eu lia tudo o que apanhava lá por casa e havia temas que me eram vedados, esses eram os livros que mais desejava ler na altura. A minha mãe sempre foi uma leitora ávida e sempre houve muitos livros lá por casa. Comecei por ler livros infantis e assim que pude saltei para os romances e poesias. Saramago ainda não era muito conhecido e lembro-me que antes do Memorial do Convento li o Levantado do Chão no ano em que saiu. Também é um livro de que gosto muito.

 O Memorial do Convento, que li aos 11 anos, foi um marco para mim. Descobri que os livros podem relatar grandes epopeias históricas misturadas com personagens densas cheias de magia. Foi muito bom ler e imaginar a construção do Palácio Nacional de Mafra. Desde que li este livro, sempre que o visito, imagino toda aquela história tão bem descrita por Saramago e as personagens, naquele espaço que parece tão austero e sem vida actualmente. As intrigas da corte e do clero, a dureza do trabalho e da vida do povo, a história de amor de Blimunda e Baltazar Sete-Sóis, as descrições arquitectónicas e paisagísticas…gostei de tudo.

Este livro também me despertou para a História que antes dele eu achava uma disciplina aborrecida e depois passei a ser uma das melhores alunas. Acho que me despertou a curiosidade sobre histórias antigas, sobre o porquê e o como foi dos sítios, dos monumentos. Saramago ficou conhecido com todo o mérito. Por causa do Memorial do Convento li quase todos os seus livros posteriores. De uns gosto muito, de outros gosto menos, mas não posso negar o génio e o poder da sua escrita.

Acho que muitos escritores e leitores, da tão na moda ficção histórica, deviam ler este livro, para avaliarem melhor o que lêem e escrevem.

Sofia Quintas – January 4, 2012

15 Jan 2012

José Saramago

José Saramago

15 Jan 2012

Sofia Quintas – Memorial do Convento / José Saramago

05 Jan 2012

I always liked to read. There were not, in my time (in my house) too many ways of entertainment, television used to start at 6 p.m. and the programming was too poor (exception made to Vasco Granja, of course). I’m from 68. So reading was my escape. I started early and quickly dispatched what was considered the appropriate literature for my age: the Famous Five, the Secret Seven, the Twins at St. Claire’s, Tintin, Asterix, well … the usual. At my home there have always been many books. Everything. Encyclopaedias, novels, biographies, murder and mystery, the entire collection of Mosquito and other magazines. That’s how I met Prince Valiant, for example, another long time love. I devoured all kinds of books. I remember when I was around 10 years old, i snatched Zola’s The Tavern and read it in two afternoons. I only got what I could, of course, and when I read it again years later, it was a different book, or maybe the difference was in me. In my home comics were considered literature, equal to any other. Never was in the background, or considered minor. But there was age division. There was clearly the comics that were to everybody (such as Tintin or Asterix, although some books are in French), and then there was Blake and Mortimer. We had the complete collection, and I read them all, as soon as I found them. And then I read them again and again, always going back them, recurrently. The Yellow M and The Atlantis Mystery were in the first place of the podium. I left home and the books were left behind. Many years later, in one of the editions of the Amadora Comics Festival, I discovered a special edition of the collection, and bought it all. At least all those written by the original author, because I’m not a big fan of substitutes. I reread The Yellow M (and all the others, of course), and I still like it. Maybe it is a bit dated, and sometimes they describe situations that are considered, today politically incorrect, to put it gently. I like it, but something was lost. But I like it, and I realized that it is not because of the story, or how it is written or drawn. I like it because it makes me go back to a period of my life when everything was white and black. No greyscales. The certainties of being 12 years old. It was my first adolescent great literary love, The Yellow M. It is impossible, from so many books that I’ve read and enjoyed, to choose the one book. It depends on so many different things. So the choice falls on The Yellow M, not because it was the first (it was not), not because it is the best (it is not), but because it reminds me a time when happiness was made of things so ridiculously simple.
Sempre gostei de ler. Não havia, no meu tempo (em minha casa) grandes formas de entretenimento, a televisão começava às 6 da tarde e a programação era paupérrima (excepção feita ao Vasco Granja, claro). Sou de 68. A leitura era o meu escape. Comecei cedo e rapidamente despachei aquela que era considerada a literatura apropriada para a minha idade. Os cinco, os sete, os nove, as gémeas, tintin, astérix, enfim….o habitual. Em minha casa sempre houve muitos livros. De tudo. Enciclopédias, romances, biografias, policiais, colecções inteiras de mosquito e outras publicações periódicas. Foi assim que conheci o Príncipe Valente, por exemplo, outro amor de longa data. Devorava tudo o que havia. Lembro-me de ter à volta dos 10 anos, quando apanhei A Taberna, do Zola. Marchou em duas tardes. Percebi o que deu para perceber, reli-o mais, tarde, era um livro diferente, ou não, provavelmente a diferença estava em mim. A banda desenhada era literatura igual à outra, lá em casa. Nunca esteve em segundo plano, nem nunca foi considerada menor.  Mas havia divisão de idades. Havia claramente a banda desenhada que era para todos (como o Astérix ou o Tintin – apesar de alguns livros estarem em francês), e depois havia Blake and Mortimer. Tínhamos a colecção completa, e marchou tudo, assim que os descobri. E depois reli, e treli, e eram livros a que regressava, recorrentemente. A Marca Amarela e o Enigma de Atlântida a revezarem-se no primeiro lugar do pódio. Saí de casa, os livros ficaram, e deixei de lhes ter acesso. Anos, muitos anos mais tarde, numa das edições do Festival de Banda Desenhada da Amadora, descubro uma edição especial da colecção, e compro todos. Todos os que foram escritos pelo autor original, que eu sou pouco de alinhar em sucedâneos. Reli a Marca Amarela (e todos os outros, evidentemente), e continuo a gostar. É literatura muito datada, descreve por vezes situações que hoje são, para ser simpática, politicamente incorrectas. Gosto, mas perdeu qualquer coisa. Gosto, e percebo que não é por causa da história, ou da forma como está escrita ou desenhada. Gosto, porque me faz regressar a um período da minha vida em que tudo era branco e preto. Nada de cinzentos. Enfim, as certezas dos 12 anos. Foi o meu primeiro grande amor literário de adolescente, a Marca Amarela. É impossível, no meio de tanta coisa que já li e de que gostei muito, eleger “O” livro. Depende de tanta coisa diferente. Recai a escolha na Marca Amarela, não por ter sido o primeiro (que não foi), não por ter sido o melhor (que não é), mas porque me relembra um tempo em que a felicidade era feita de coisas absurdamente simples.
Maria João Nogueira – December 30, 2011
05 Jan 2012

Edgar P. Jacobs

Edgar P. Jacobs

05 Jan 2012

Maria João Nogueira – A Marca Amarela (The Yellow “M”) / Edgar P. Jacobs