logo

Monthly Archives: August 2012

29 Aug 2012

Wuthering Heights

I can’t really tell my right age when I read this book for the first time, I think I was 15/16 years old. I remeber walking along the school halls completly sleepy for staying awake until 2 or 3 in the morning reading it. The books have an almost magical ability to arrest us inside them until we turn the last page. Throughout that week I felt that I too was one of the inhabitants d ‘Wuthering Heights and was so madly in love with Heathcliff and Cathy herself. I think that was the first work, artistic or literary, with which I identified completely. The landscapes described by Emily were the places I wanted to visit, places where I felt I belonged. The house at the top of the hill, moorland, hills, wind, dryness and restlessness typical of a nature that awaits a permanent storm. The isolated and desolate places, still feel it’s where I belong and Wuthering Heights became somehow the ultimate expression of that peculiar feeling of those who love the cliffs, rocks, seas and loneliness.

The love story between Heathcliff and Cathy will haunt me forever. Between me and my classmates at the time, with whom I shared the discovery of this book, it created a kind of myth around the character of Heathcliff. The man with all defects and some more but redeems himself by his unconditional love for Cathy. A love as true as sickly, a love that destroys everything it touches. I think we all  have created this illusion of, one day, having someone that would love us forever. “Forever,” the word we learned in fairy tales and who wins here very dark and violent contours. Wuthering Heights is not a “fairy tale” book, is not an easy book, is rude as the landscape it describes, is visceral and turbulent. It is a book about two people who belong together but at some point break the ties that bind them and fail to get understood. I think this is also one of the reasons why the book had me in such a big impact. There is a kind of Romeo and Juliet in which the two lovers are separated by misfortune, by fate. Here the separation occurs by interference from the outside, by desire to discover other things, other people, misunderstandings, jealousy, revenge and, ultimately, by the will of both.

Because misery and degradation, and death, and nothing God or Satan That Could inflict would have parted us, you, of your own will, did it. I have not broken your heart-you have broken it, and in breaking it, you have broken mine.

When you have 15/16 years you don’t understand that, you do not understand why they can not be together when still like each other. Do not have the reasons, the causes, the impossibilities, it is believed that love can do everything, all wins.

My love for Linton is like the foliage in the woods: time will change it, I’m well aware, the winter changes the trees. My love for Heathcliff resembles the eternal rocks beneath: a source of little visible delight, but necessary. Nelly, I am Healthcliff! He’s always, always in my mind: not as a pleasure, any more than I am always a pleasure to myself, but to my own being.

Apart from identification with the landscape and somehow caught the temper of both characters, this book disturbed me greatly. I’ve used this word before but I think that is correct, haunted me. I could write all day about it, about all the emotions that I raised, about how the interpretation of history is changing over the years, but I think the bulk says. If I had to give something of myself to know to someone, with everything bad and good, I think it would be this story. Then others. But this undoubtedly first.


O MONTE DOS VENDAVAIS
Não sei precisar bem a idade que tinha quando li este livro pela primeira vez, julgo que 15/16 anos. Tenho uma memória muito presente de andar pelos corredores da escola completamente ensonada por ficar acordada até às 2 ou 3 da manhã a lê-lo. Os livros têm uma capacidade quase mágica de nos prender dentro deles até virarmos a última página. Durante toda essa semana senti que também eu era um dos habitantes d’ O Monte dos Vendavais e estava tão loucamente apaixonada por Heathcliff como a própria Cathy. Julgo que foi a primeira obra, artística ou literária, com a qual me identifiquei por completo. As paisagens descritas por Emily eram os locais que queria visitar, locais onde eu sentia que pertencia. A casa no cimo da colina, a charneca, os montes, o vento, a aridez e a inquietude próprias de uma natureza que aguarda permanentemente uma tempestade. Os sítios isolados e desolados, ainda hoje sinto que é a eles que pertenço e O Monte dos Vendavais tornou-se de certa forma a expressão máxima desse sentimento tão peculiar de quem ama as falésias, as, rochas, a solidão e o mar revolto.
A história de amor entre Heathcliff e Cathy vai assombrar-me para sempre. Entre mim e as minhas colegas de turma na altura, com quem partilhei a descoberta deste livro, criou-se um espécie de mito em torno da personagem de Heathcliff. O homem com todos os defeitos e mais algum mas que se redime pelo seu amor incondicional por Cathy. Um amor tão verdadeiro quanto doentio, um amor que destrói tudo em que toca.
Julgo que todas criámos esta ilusão de ter um dia alguém que nos amasse para sempre. “Para sempre”, a palavra que aprendemos nos contos de fada e que ganha aqui contornos muito negros e violentos. O Monte dos Vendavais não é um livro cor-de-rosa, não é um livro fácil, é rude como a paisagem que descreve, é visceral e turbulento. É um livro sobre duas pessoas que se pertencem mas que a dada altura rompem os laços que os unem e deixam de conseguir entender-se. Julgo que essa é também uma das razões pelas quais o livro teve em mim um impacto tão grande. Não é uma espécie de Romeu e Julieta em que os dois amantes são separados pelo infortúnio, pelo destino. Aqui a separação ocorre por interferência do exterior, por vontade de descobrir outras coisas, outras pessoas, por mal entendidos, por ciúmes, por vinganças, em última análise por vontade de ambos.
Because misery and degradation, and death, and nothing that God or Satan could inflict would have parted us, you, of your own will, did it. I have not broken your heart—you have broken it; and in breaking it, you have broken mine.”
Quando se tem 15/16 anos não se entende isso, não se entende porque razão eles não conseguem ficar juntos quando continuam a gostar um do outro. Não se vêm as razões, as causas, as impossibilidades, acredita-se ainda que o amor tudo pode, tudo vence.
My love for Linton is like the foliage in the woods: time will change it, I’m well aware, as winter changes the trees. My love for Heathcliff resembles the eternal rocks beneath: a source of little visible delight, but necessary. Nelly, I am Healthcliff! He’s always, always in my mind: not as a pleasure, any more than I am always a pleasure to myself, but as my own being.
Para além da identificação com a paisagem e de certa forma com o temperamento arrebatado de ambas as personagens, este livro perturbou-me muitíssimo. Já utilizei esta palavra antes mas julgo que é a correcta, assombrou-me. Podia escrever sobre ele o dia inteiro, sobre todas as emoções que me suscitou, sobre a forma como a interpretação da história vai mudando com o passar dos anos, mas julgo que disse o essencial. Se tivesse de dar algo de mim a conhecer a alguém, com tudo de mal e de bom que encerra, julgo que seria esta história. E depois outras. Mas esta, sem dúvida, primeiro.

Joana Linda – August 21, 2012

29 Aug 2012

Emily Brontë

Emily Brontë

29 Aug 2012

Joana Linda – Wuthering Heights (Monte dos Vendavais) / Emily Brontë

16 Aug 2012

De Alinda a Vila do Cabo

José Vilhena Rodrigues was born on July 2, 1940, at Rua Vasco da Gama in Sines. Carpenter by trade, he began its associative participation before military service as a board member of the Centro Recreativo Sineense. After leaving it, he was director of the section of the Sines of Montepio Geral almost to it’s extinction. He was a Carnival worker from the first year on, later becoming a team leader. He wrote popular verses for the Enterro do Entrudo between the ages of 29 and 65. He was aware to politics by the stories told by an old anarchist who trusted him, and he became known for his anti-fascist positions. Before the 25 de Abril, he read several books on trade unionism and class struggles banned by the censorship, which contributed to the political awareness and knowledge that transformed into practice soon after the Revolution.

On the 1st May 1974 he was the first to do an intervention freely in the Square Tomás Ribeiro, preceding an expression of collective joy never seen in the village. Between 1974 and 1977, he was part of the Comissão Administrativa of the City Council that preceded the first democratic elections. In the performance of his duties, he has spurred the sport in Sines, with the creation of Codicuder and Municipal Sports Council. Also in the post-revolutionary period, he was a candidate for deputy to the Assembleia Constituinte, by MDP, where he was an activist in 1975, and a year later he joined the PCP. His contribution to the trade union movement was also evident in all his life. In 1974, José Ferreira Costa, formed a trade union commission, in the Comissão para a Unidade Democrática. Continuing in this context, he was president of the delegation of Sines of the Sindicato da Construção Civil and participated in the creation of the União dos Sindicatos de Sines e Santiago do Cacém in 1978, the highest point of a movement that started with the creation of the Trade Union of Sines. Has chaired the board of the constituent assembly of the união dos Sindicatos and coordinated its first secretariat. Again as a local deputy, he was elected four times to the Municipal Assembly of Sines, once as a  first secretary, two as president and as a bench deputy.

He was a poet, a prose writer and a commentator on the world around him, he worked for various newspapers and magazines with stories and poems and published four books that reflect his love for Sines and his humanism: Respostas do Carpinteiro (1994), Onde o Mar Abraça o Alentejo (1996), De Alinda a Vila do Cabo (2000) e A Essência da Raiz (2006). Following the publication of the latter work, readers of the newspaper O Leme Dourado awarded him first place in literature.

The famous phrase “25 de Abril Sempre!” first appeared on the title of an article published in the newspaper “O Diário”, endorsed by Sines delegation of the Sindicato da Construção Civil.


José Rodrigues Vilhena nasceu em 2 de Julho de 1940, na Rua Vasco da Gama em Sines. Carpinteiro de profissão, iniciou a sua participação associativa antes do serviço militar, como membro da direcção do Centro Recreativo Sineense. Depois de sair, foi director da secção de Sines do Montepio Geral até quase à sua extinção. Foi obreiro do Carnaval desde o primeiro ano, passando mais tarde a chefe de equipa. Fez versos no popular Enterro do Entrudo entre os 29 e os 65 anos. Despertado para a política pelas histórias contadas por um velho anarquista que nele confiava, passou a ser conhecido pelas suas posições anti-fascistas. Antes do 25 de Abril, leu diversos livros sobre sindicalismo e lutas de classe proibidos pela censura, o que contribuiu para a consciência política e os conhecimentos que transformou em prática logo após a Revolução.
No 1.º de Maio de 1974, foi o primeiro sineense a fazer uma intervenção em liberdade na Praça Tomás Ribeiro, antecedendo uma manifestação de alegria colectiva nunca vista na vila. Entre 1974 e 1977, fez parte da Comissão Administrativa da Câmara Municipal que antecedeu as primeiras eleições democráticas. No exercício das funções de vereador, dinamizou o desporto em Sines, com a criação da Codicuder e do Conselho Desportivo Municipal. Ainda no período pós-revolucionário, foi candidato a deputado à Assembleia Constituinte, pelo MDP, onde era militante, em 1975, e um ano mais tarde ingressou no PCP. O contributo para o movimento sindical foi também marcante na sua vida. Em 1974, com José Ferreira Costa, formou a Comissão Sindical, no seio da Comissão de Unidade Democrática. Continuando neste contexto, foi presidente da Delegação de Sines do Sindicato da Construção Civil e participou na criação da União dos Sindicatos de Sines e Santiago do Cacém em 1978, culminar de um movimento que se iniciou com a criação da União Sindical de Sines. Presidiu ainda à mesa da Assembleia Constitutiva da União dos Sindicatos e coordenou o seu primeiro secretariado. Novamente como autarca, foi eleito por quatro vezes para a Assembleia Municipal de Sines, uma vez como 1.º secretário, duas como presidente e uma como deputado de bancada.
Poeta, prosador e comentador do mundo à sua volta, colaborou em vários jornais e revistas com crónicas e poemas e publicou em nome próprio quatro livros que reflectem o seu amor por Sines e o seu humanismo: Respostas do Carpinteiro (1994), Onde o Mar Abraça o Alentejo (1996), De Alinda a Vila do Cabo (2000) e A Essência da Raiz (2006). Na sequência da publicação desta última obra, os leitores do jornal O Leme atribuíram-lhe o Leme Dourado, com a classificação de primeiro lugar em literatura.
A célebre frase “25 de Abril Sempre!” saiu do título de um artigo da sua autoria publicado no jornal “O Diário”, subscrito pela delegação de Sines do Sindicato da Construção Civil.
Sofia Costa – August 10, 2012
16 Aug 2012

José Rodrigues Vilhena

José Rodrigues Vilhena

16 Aug 2012

Sofia Costa – De Alinda a Vila do Cabo / José Rodrigues Vilhena

07 Aug 2012

As Farpas

Choosing only one book was for me the difficult choice of one of the works from my favorite author, Eça de Queiroz. I read with just 12 years old the Mistério da Estrada de Sintra, and it was was at that time the door opened to devour all his other works, including the classic Os Maias which was required reading in the Portuguese program of high school and for me it was a pleasure occasion to re-read it. In all the novels we find, even lightly, the caricature of society, politics and customs, and a lively criticism embodied by his characters. But it is with As Farpas that Eça de Queiroz in conjunction with Ramalho Ortigão, demonstrates his power of incisive and straight criticism,  and the eternal sarcasm that characterizes him so well and with which I identify completely. This book is ever so modern and contemporary, and despite Eça not being an historian, it chronicles the essence of Portuguese society.


As Farpas

A escolha de um só livro foi para mim a escolha, díficil, de uma das obras do meu autor favorito, Eça de Queiroz. Li com apenas 12 anos o Mistério da Estrada de Sintra, foi naquela altura a porta que se abriu para devorar todas as outras obras, passando pelo clássico “Os Maias” que era “obrigatório” no programa de Português e que para mim foi um prazer relê-lo. Em todos os romances ainda que de forma leve encontramos a caricatura da sociedade, da política, dos costumes e a crítica viva encarnada pelas suas personagens. Mas é com “As Farpas” que Eça de Queiroz em conjunto com Ramalho Ortigão demonstra o seu poder de crítica incisiva, directa sem nomeações, e o eterno sarcasmo que tão bem o caracteriza e com o qual me identifico profundamente. É um livro sempre actual, e apesar de não ser um historiador, as suas crónicas pintam a essência da sociedade portuguesa.

Teresa Sousa – July 31, 2012

07 Aug 2012

Eça de Queirós & Ramalho Ortigão

Eça de Queirós & Ramalho Ortigão

07 Aug 2012

Teresa Sousa – As Farpas / Eça de Queirós – Ramalho Ortigão