logo

When in my youth I’ve found this book on the shelf of my great-aunt-granny would never imagine the impact this would have on me. Foolishly romantic as I am, made me dream of true love, the one that not everyone will be able to live and feel in life, and made me awake the desire to write stories through my own words, of my own emotions.

But why such a impact?

The similarities with that character, Jane Eyre, had at the time – and still have – a very strong meaning to me. The loneliness, the waiting, the price of independence, passion, love, disappointment, trying to forget the reunion, the second opportunity, the reconciliation of all…My story is similar. It is not easy to wait. It is not easy to handle deviations and hauls. But, sometimes, it is rowing against the tide that we find the right margin.

Jane Eyre is a novel by English writer Charlotte Brontë published in 1847 and is among the classics of world literature. Tells the story of Jane Eyre that after a childhood and adolescence lacking of affection, becomes governess of the young Adèle, the pupil of Edward Rochester, the master of Thornfield Hall with she falls in love. Matched in their feelings, Jane accepted the marriage proposal of Mr. Rochester but discovers that he and Thornfield Hall hold a terrible secret from the past that will change her life. The whole story had mysterious and dramatic contours that grab the reader through the last page feeling all the feelings that torment the female character.

In addition to the romantic part of the novel, this story focus on the emancipation of women, her mind and desires – issue also spoken by another author of the time, Jane Austen – Brontë showing that women were perfectly able to work and have an independent living, married or not.

This book I have, has more than 70 years: It is the oldest translation made in Portugal and this work was published in 1941 by Editora Inquérito under the title “ A Paixão de Jane Eyre / The Passion of Jane Eyre.”

Quando na juventude descobri este livro na estante da minha tia-avó jamais imaginaria o impacto que teria em mim. Estupidamente romântica como sou, fez-me sonhar com o verdadeiro amor, aquele que nem todos conseguirão viver e sentir na vida, e fez-me despertar a vontade de escrever histórias através das minhas próprias palavras, das minhas próprias emoções.

Mas porquê tanto impacto?

As similaridades com aquela personagem, Jane Eyre, tiveram na altura – e ainda hoje têm – um significado fortíssimo. A solidão, a espera, o preço da independência, a paixão, o amor, a decepção, a tentativa de esquecimento, o reencontro, a segunda oportunidade, a conciliação de tudo… A minha história é semelhante. Não é fácil esperar. Não é fácil aguentar desvios e arrastos. Mas, por vezes, é remando contra as marés que encontramos a margem certa.

Jane Eyre é um romance da escritora inglesa Charlotte Brontë publicado em 1847 e está entre um dos clássicos da literatura mundial. Conta a história de Jane Eyre que depois de uma infância e adolescência carente de afecto, torna-se preceptora da jovem Adèle, a pupila de Edward Rochester, o revoltado dono de Thornfield Hall por quem acaba por se apaixonar. Correspondida nos seus sentimentos, Jane acaba por aceitar o pedido de casamento de Mr. Rochester mas descobre que ele e Thornfield Hall guardam um terrível segredo do passado que mudará a sua vida. Toda a história tem contornos misteriosos e dramáticos que agarram o leitor até à última página sentindo todos os tormentos e sentimentos daquela personagem feminina.

Para além da componente romântica da obra, esta história foca a emancipação da mulher, da sua mente e vontades – tema também muito abordado por outra autora da época, Jane Austen – mostrando Brontë que as mulheres eram perfeitamente capazes de trabalhar e ter uma vida independente, casarem ou não.

Este livro que eu tenho, tem mais de 70 anos: Trata-se da tradução mais antiga feita em Portugal desta obra e foi publicada em 1941 pela Editora Inquérito com o título “A Paixão de Jane Eyre”.

Isa Silva – March 15, 2012

Leave a reply