logo

A House for Mr Biswas

I do not know how it came into my hands, I think I borrowed it from someone but I cannot remember who it was, so I have not been able to return it. It took me a long time to decide which book I wanted to talk about. This is not the most important book in my life, because I have some more on that list, but with this one I developed a unique relationship. The cultural fatality that allows us to realize that everything that might go wrong will take for the worst, anguished me from the beginning, but by no means did I run away, not immediately. I dived. I resisted to sleep and eventually fell asleep, then woke up a few hours later to continue.

I tried to fool the character´s luck and decided that I should choose at what point I should finish reading it, so that when the time came, I would close the book and ignore the rest. From what I can remember, half way through the book, Mr biswas life reaches its peak, the best I believe is possible in that scenario. So this is the point I chose to be my ending. I closed the book and went about my life. Days later I stopped being paternalistic. Well, actually I could not resist the curiosity and went back to pick up the story. Maybe it would not run as badly as I expected, and perhaps even more joys would came his way. I joined again, unable to have (my) happy ending, but trying to understand a little better what is that thing “humbleness"… among many other riches.


Uma Casa para Mr. Biswas

Não sei como me veio parar às mãos, acho que mo emprestaram e como não me lembro quem foi, ainda não o pude devolver. Demorei bastante tempo para escolher o livro de que queria falar, não é o mais importante da minha vida, porque tenho mais alguns nessa lista, mas com este desenvolvi uma relação única. A fatalidade cultural que nos permite perceber que tudo o que tiver de correr mal irá correr pelo pior angustiou-me desde o inicio, mas nem por isso fugi, não imediatamente. Mergulhei, não dormi e se caía de sono, acordava umas horas mais tarde para continuar.

Tentei enganar a sorte do personagem e resolvi que deveria escolher em que ponto terminaria de o ler assim, quando chegasse o momento, fecharia o livro e ignorava o resto. Do que me lembro, mais ou menos a meio, a vida do Mr. Biswas corre da melhor maneira que eu acredito ser possível naquele cenário, então esse seria o meu final. Fechei o livro e fui à minha vida. Dias mais tarde deixei-me de paternalismos. Bom, na realidade não aguentei a curiosidade e voltei a pegar na história. Talvez não corresse tão mal como eu esperava, talvez ainda lhe chegassem mais alegrias e entrei outra vez, sem conseguir ter o (meu) final feliz, mas para entender um pouco melhor o que é isso da "humildade”….entre muitas outras riquezas.

Marta Gonzaga – July 13, 2012

Leave a reply